Noticias

Nova fase da Lava Jato deflagrada nesta terça cumpre dois mandados em Salvador


Operação investiga repasses do grupo Oi/Telemar para empresas de Fábio Luis Lula da Silva, um dos filhos do ex-presidente Lula, além de Fernando Bittar, Kalil Bittar e Jonas Suassuna. Receita Federal na nova fase da Lava Jato em Salvador, nesta terça-feira (10)
Divulgação/Receita Federal
Dois dos 47 mandados de busca e apreensão da 69ª fase da Operação Lava Jato, deflagrada na manhã desta terça-feira (10), são cumpridos em Salvador, segundo informações da Polícia Federal no Paraná. Além da Bahia, mandados foram expedidos para São Paulo, Rio de Janeiro e Distrito Federal.
A operação, batizada de Mapa da Mina, investiga repasses do grupo Oi/Telemar para empresas de Fábio Luis Lula da Silva, um dos filhos do ex-presidente Lula, além de Fernando Bittar, Kalil Bittar e Jonas Suassuna.
Em Salvador, duas viaturas, uma da Polícia Federal e outra da Receita, estiveram na agência de publicidade Propeg, no bairro da Barra, entretanto não foi informado se a diligência estaria ligada à operação.
Por meio de nota, a Propeg informou que as viaturas foram para lá por causa de erro nos endereços alvos da diligência e destacou que a ação cumprida na agência destinava-se, na verdade, a outra empresa. A companhia também informou que está tomando as providências cabíveis e necessárias para desfazer o engano.
Operação
Receita Federal na nova fase da Lava Jato em Salvador, nesta terça-feira (10)
Divulgação/Receita Federal
A operação desta terça-feira é um desdobramento da 24ª etapa da Lava Jato, em que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi levado a depor. Na ocasião, a defesa negou envolvimento em irregularidades.
O G1 tentou contato com com a Oi e com a assessoria de imprensa do Instituto Lula e com a defesa do ex-presidente. Até a última atualização desta reportagem, o G1 não havia feito contato com a defesa de Fábio Luis e dos demais citados.
Por meio de nota, o Ministério Público Federal (MPF), que integra as investigações, informou que as apurações indicam que os repasses, realizados entre 2004 e 2016, e superiores a R$ 132 milhões, foram realizados sem justificativa econômica plausível, ao tempo em que o grupo Oi/Telemar foi beneficiado por diversos atos praticados pelo Governo Federal.
De acordo com a Polícia Federal, que também atua na operação, o montante dos repasses, realizados entre 2005 e 2016, chega a R$ 193 milhões, conforme apurado até o momento.
A estruturação do grupo Gamecorp/Gol, integrado pelas empresas G4 Entretenimento e Tecnologia Digital, Gamecorp, Editora Gol, Gol Mídia, Gol Mobile, Goal Discos, Coskin, PJA Empreendimentos e PDI, foi capitaneada por Fábio Luis, Fernando Bittar, Kalil Bittar e Jonas Suassuna.
As investigações apontam que as empresas do grupo Gamecorp/Gol não possuíam mão de obra e ativos compatíveis com a efetiva prestação dos serviços para os quais foram contratadas pela Oi/Telemar.
O MPF detalhou que provas documentais colhidas, como contratos e notas fiscais, além de dados extraídos a partir do afastamento dos sigilos bancário e fiscal dos investigados, indicam que as empresas do grupo Oi/Telemar investiram e contrataram o grupo Gamecorp/Gol sem a cotação de preços com outros fornecedores, fizeram pagamentos acima dos valores contratados e praticados no mercado, assim como realizaram pagamentos por serviços não executados.
Veja mais notícias do estado no G1 Bahia.

WEB RADIO PINARE

10 de dezembro de 2019

Sem Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *